Regime de bens: Descubra qual escolher para se proteger das dívidas do companheiro.

Imagem: Reprodução/Google




Quando um casal decide se casar, uma das primeiras coisas que eles devem escolher é um sistema de propriedade melhor. Estas são as cinco opções previstas no Código Civil. Se seu parceiro se endivida, sabe qual deles é mais seguro? Para fazer a melhor escolha e proteger os bens da sua família dos padrões do seu parceiro, veja as seguintes dicas:



Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a escolha do governo em questão não é apenas o momento em que o casamento termina. Esta é uma decisão que terá um profundo impacto durante todo o seu casamento. Também é usado para garantir a permanência do patrimônio familiar em momentos de dificuldade financeira.


Regime de bens


Antes de falar um pouco mais sobre cada um deles, acreditamos que é essencial conhecer os mais comuns:


  • Comunhão parcial de bens;
  • Comunhão universal de bens;
  • Separação de bens;
  • Participação final nos aquestos.


Para muitos casais, o melhor regime é o sistema de comunhão parcial, uma vez que os bens adquiridos após o casamento pertencem a ambos, por isso é considerado o mais justo. Isso significa que tudo é dividido uniformemente, se necessário. Nesses casos, se você tem uma dívida e pode provar que foi feita em benefício do casal ou da família, você pode usar ambos os bens para pagar a mesma coisa.


No entanto, qualquer coisa comprada como resultado de uma herança, uma doação ou antes da união não pode ser usada para pagar essa dívida.


Para famílias em posições financeiras semelhantes, especialmente aquelas que não possuem muitos ativos antes da relação, uma opção é a comunhão universal de bens. No entanto, atualmente, essa não é a escolha de muitas pessoas, especialmente quando se trata da proteção do patrimônio. Nesse caso, você também terá duas dívidas!


Em uma relação onde renda e ativos de um lado são muito maiores do que o outro, a escolha poderia ser uma completa separação de bens. Ao escolher tal esquema, a pessoa que contraiu a dívida tem total responsabilidade de pagá-la. Portanto, é impossível usar os bens da outra parte para pagar dívidas, a menos que a outra parte permita.


Por outro lado, se, por exemplo, duas pessoas fazem um investimento pessoal ou são donas de diferentes empresas, é comum que elas escolham construir algo juntos e dividir apenas o que foi alcançado durante esse período. Neste caso, o regime de eventual participação na Aquest pode ser uma escolha mais cautelosa.


Em geral, é um regime mais complexo.


Para ele, os bens não se comunicam durante o casamento, mas em comum se comunicam no momento da separação dos bens adquiridos... Então eles são compartilhados. Este é considerado um dos regimes mais seguros para quem já tem bens antes da cerimônia sindical.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem