Salário mínimo do brasileiro deveria ser mais de R$ 6.000, aponta Dieese; Entenda

Imagem: Reprodução/Google


Levantamento nacional das cestas básicas, realizado pelo Instituto Nacional de Estatística e Pesquisa Econômica (Dieese), aponta que o salário mínimo para os brasileiros deveria ter sido de R$ 6.388,55 em Julho. Esse valor é considerado ideal para atender às necessidades de uma família de quatro pessoas.


Esse valor, estimado pelo departamento, equivale a 1.212 vezes o piso pago atualmente de R$5,27. O cálculo é feito mensalmente com o objetivo de indicar a renda mínima exigida para que os trabalhadores e suas famílias vivam por um mês.


As previsões incluem saúde, habitação, alimentação, vestuário, saneamento, lazer, previdência social, transporte e educação. Além disso, a estimativa do valor ideal para julho utiliza o preço da cesta básica de São Paulo como base e é considerada a mais cara das 17 capitais que fazem parte do estudo, com valor de R$ 760,45.


Nesse sentido, se analisarmos o preço médio em relação ao rendimento do trabalhador, a pessoa que recebe o salário deve se comprometer a comprar alimentos básicos com 59,27% do lucro líquido.


Oscilação do preço de uma cesta básica


Apesar de consumir grande parte das recompensas daqueles que ganharam o piso nacional, o valor da cesta básica diminuiu em julho, em 10 das 17 capitais incluídas na pesquisa, segundo estudo do Dieese.


Confira abaixo o balanço para mais ou menos o preço da cesta básica:


Belo Horizonte: + 0,51%;

Belém: + 0,14%;

Natal:- 3,96%;

João Pessoa: - 2,40%;

Fortaleza :- 2,37%;

São Paulo: - 2,13%;

Vitória: +1,14%;

Salvador: + 0,98%;

Brasília: +0,80%;

recife: + 0,70%;

Campo Grande: + 0,62%.


Como mencionado acima, os locais com maior cesta básica foram São Paulo com valor médio de R$ 760,45, Florianópolis com valor de R$ 753,73, Porto Alegre com valor de R$ 752,84 e Rio de Janeiro com valor de R$ 723,75.


Grupos alimentares que continuam em alta nos supermercados


Em relação aos produtos, mesmo diante da deflação (queda dos preços e desaceleração da inflação), os alimentos ainda registravam preços altos. Dos 13 itens que compõem a cesta básica, 12 aumentaram nos últimos 12 meses.


veja:


Açúcar: + 21,9%;

farinha: + 19,94%;

manteiga: + 19,74%;

Pan: + 16,95%;

Tomate: + 7,45%;

Carne: + 2,91%;

batatas: + 66,82%;

leite: + 66,46%;

Café: + 58,12%;

Bananas: + 35,71%;

feijão: + 28,57%;

Petróleo: +26,23%.


Houve corte de preço apenas para arroz, resultando em queda de R$7,93%. O aumento dos valores terá um impacto negativo em milhões de pessoas, especialmente pessoas de baixa renda.


De acordo com a última pesquisa domiciliar divulgada pelo IBGE, as famílias com renda mensal de até R$ 1.900 gastam até 22% de sua renda com alimentação.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem