ANEEL propõe uso do PIX como forma de pagamento da fatura de energia elétrica; Veja detalhes

Imagem: Reprodução/Google




Em reunião realizada nesta Terça-Feira (13), o Conselho de Administração da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu abrir uma consulta pública para receber contribuições para a melhoria do Relatório de Análise de Impacto Regulatório (AIR) e do projeto de resolução normativa sobre o uso do PIX como opção para o pagamento das contas de luz.


Ou seja, o objetivo da consulta é garantir o acesso do consumidor ao PIX em todas as áreas de franquia e permissão dos distribuidores.


Assim, deve-se notar que os interessados podem enviar contribuições a partir de quarta-feira (14), para e-mail cp042_2022@aneel.gov.br.


PIX como a possibilidade de pagar a conta de luz


Em 2020, a ANEEL assinou com o Banco Central do Brasil (BCB) um acordo de cooperação técnica para tornar a PIX uma alternativa ao pagamento das contas de luz e melhorar a experiência de pagamento dos consumidores, onde a compensação ocorre imediatamente.


No entanto, acontece que no setor de distribuição não há uniformidade na aplicação, uma vez que algumas empresas já aderiram a essa alternativa, enquanto outras enfrentam dificuldades.


Em maio, a agência consultou os distribuidores de energia sobre a adoção da Pix como forma de pagamento. Dos 49 franqueados (distribuidores de grande e médio porte) que responderam à consulta, 67% relataram que já tinham o pix como opção de pagamento, enquanto 33% disseram que ainda não o tinham feito.


Dos distribuidores que responderam sim, 37% relataram prestar o serviço com restrições. Nesses casos, as faturas com o código de pagamento Pix aparecem somente quando são emitidas digitalmente.


Em seguida, com base nos resultados obtidos na AIR, a proposta submetida à consulta pública especificava que o PIX deveria ser obrigatório como forma de pagamento, via QR Code, quando solicitado pelo consumidor em todas as formas de faturamento, inclusive impresso.


Assim, a intervenção regulatória, além de melhorar a experiência do consumidor, pode reduzir os custos operacionais das distribuidoras, o que pode ser devido à modéstia da tarifa.


Além disso, a emenda incentiva a modernização dos processos de coleta e cobrança, ao mesmo tempo em que avalia a modernização do relacionamento das distribuidoras com seus consumidores.


Próximos passos da discussão


A Consulta Geral nº 042/2022 propõe alterações na decisão normativa - REN 1000/2021 e REN 956/2021. Em relação ao prazo, você receberá contribuições entre 14 de setembro e 31 de outubro.


Além disso, as distribuidoras terão um período de ajuste de 90 dias após a mudança de ren, se aprovada.


Por fim, deve-se notar que, independentemente da medida, outras formas de pagamento, como códigos de barras e uma conta de débito, ainda serão válidas.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem