Atenção! Lula pode ganhar R$ 24 bilhões a mais para gastar em 2023; Entenda

Imagem: Reprodução/Google



O Governo eleito tem potencial para aumentar o espaço para um custo de 24 bilhões de reais, com um valor maior sendo negociado na transição do Projeto de Emenda Constitucional (PEC).


Por isso, o cálculo foi feito pelo economista chefe Caio Ore, que disse à Estadão que o Parlamento teria que ajustar a inflação durante a votação da lei orçamentária, que ocorrerá em Dezembro. Porque o uso de estimativas de inflação mais altas resultará em um teto de gastos mais alto gasto em seu orçamento.


Então, na prática, essa lacuna aumenta o valor do teto de gastos em 2023. Assim, sem alterações, o espaço a ser gasto em 2023 será somado à licença de 198 bilhões de reais, onde serão abertos projetos preliminares da PEC com um orçamento de novas despesas.


Exceder os limites de despesa


O demonstrativo estabelece que o teto de gastos é que o gasto máximo que o governo pode ter corresponde ao orçamento do ano anterior e é ajustado apenas pela inflação. No entanto, sem uma correção, o espaço gasto em 2023 aumentará.


Assim, os projetos enviados a partir do orçamento de 2023 foram realizados com um IPCA de 7,2%. No entanto, a taxa esperada para o final deste ano situa-se entre os 5,8% e os 6%. Portanto, a diferença é grande e tem um impacto importante em orçamentos maiores, como os gastos federais.


Mudanças no sistema tributário


Em resumo, o governo Bolsonaro e o parlamento mudaram a forma como alteraram as regras tributárias da PEC em Precatórios para gastar mais este ano nas eleições, causando problemas com a correção do teto de gastos. Sim, o limite foi ajustado pela inflação por 12 meses até junho. Mas em Peck de Suplicatórios, a inflação anual foi levada em conta. Portanto, os resultados anuais da inflação ainda não estão fechados, uma vez que o orçamento, via de regra, é votado no ano anterior.


Portanto, para ajustar essa lacuna, o Ministério da Economia deve enviar uma nova estimativa à Comissão Mista de Orçamento (OCM) todos os meses.


Por fim, de acordo com os cálculos do Estadão com o CMO, o relator orçamentário, Marcelo Castro (MDB-PI), não é obrigado a fazer ajustes agora. Mas assessores do Congresso dizem que não é certo que os ajustes devam ocorrer ao longo do ano fiscal ou apenas no ano seguinte.

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem