17.4 C
São Paulo
terça-feira, maio 21, 2024

Atenção motoristas! Conheça nova lei das placas que entrou em vigor no Brasil

Veja mais

As regras sobre placas de identificação de veículos foram alteradas na última quinta-feira (27) (14.562), quando entrou em vigor a Lei 23/23.
Imagem: Google

As regras sobre placas de identificação de veículos foram alteradas na última quinta-feira (27) (14.562), quando entrou em vigor a Lei 23/23. Essa notícia foi facilitada principalmente por textos que circulavam nas redes sociais, o que causou muitas dúvidas e confusão entre os motoristas.

Um desses dispositivos diz que dirigir carro sem uma ou ambas as placas equivale a “falsificação da marca de identificação do veículo”, crime previsto no Código Penal. De acordo com o artigo 311, a pena é de reclusão de 3 a 6 anos.

No entanto, especialistas dizem que correr sem placa porque teve que fazer um prejuízo, roubo ou retirada voluntária não é crime. Essa prática ainda é uma infração gravíssima, que resulta em multa de R$ 293,47, além de 7 pontos para CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e retirada de veículo.

Afinal, o que mudou? Entenda o seguinte:

Mudanças na Lei da placa

A principal mudança da nova lei é a retirada da palavra “automotor” do artigo 311 para incluir outras categorias de veículos, como reboques e semirreboques. Por causa dessa lacuna, o tribunal não considerou crime adulterar a marca de identificação se o veículo em questão não estivesse equipado com motor.

Tendo em vista que um dos objetivos da Lei 14.562/23 é prevenir o furto de mercadorias, ela se estende não apenas aos veículos, mas também aos seus reboques e ferramentas.

Também causa confusão a informação de que a falsificação de marcas de identificação se tornou um crime que não pode ser liberado sob fiança.

“É certo que o delegado de polícia pode fixar fiança para crimes com pena máxima não superior a quatro anos, mas não é o caso, embora a decisão sobre a fiança possa ser decidida pelo juiz em qualquer fase do processo penal, a menos que a condenação seja confirmada de acordo com o artigo 311 do Código Penal”, explica Marco Fabrício Vieira, escritor e membro do Contran.

Criminalização

O que essa mudança, na verdade, fez foi ampliar as questões que poderiam ser responsabilizadas por fraudes veiculares. A pena permanece entre três e seis anos de prisão para os envolvidos. Se a prática criminosa estiver relacionada a atividades comerciais ou industriais, além de multas, a pena é aumentada de 4 para 8 anos de prisão.

Veja Mais

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas Notícias